bio
turnee
discografiaa
galeria
WhatsApp Image 2016-12-27 at 17.15.40
bdtm
stmbanner

Fallen

Fallen é o primeiro álbum de longa-metragem do Evanescence, lançado em 4 de março de 2003, através da gravadora Wind-Up Records, gravado nos estúdios californianos Track Record Inc. & Recording NRG, Ocean e Conway Recording, alcançou status 7x Platinium em 24 de junho de 2008 nos EUA.

Fallen vendeu mais de 15 milhões de cópias em todo o mundo e cerca de 5 milhões e meio nos EUA. O álbum estreou em #7 e não caiu abaixo de #39 até à data sobre a Billboard Album Chart. O álbum ficou entre os top 10 para 43 semanas não-consecutivas e rendeu à banda cinco indicações no 46º Grammy Awards: Álbum do ano, Melhor álbum de Rock, Melhor música de Rock, Melhor Performance Hard Rock e Grammy Award para Melhor artista revelação. Venceu “Melhor artista revelação” e “Melhor Performance de Hard Rock” com Bring Me To Life [¹].

“Todos caímos, mas ao mesmo tempo não estamos quebrados. Existe a sugestão de irmos e começarmos de novo”, Amy Lee

Esta é uma das razões da escolha do nome ‘Fallen’. Ben Moody, em uma entrevista disse que Fallen foi feito para que as pessoas saibam que nunca estão sozinhas, quando se sentem sozinhas ou sentem dor.

Fallen alcançou a posição #03 na Billboard 200 em 14 de Junho de 2003, e reentrou no chart no número 192 em 13 de Março de 2010. Passou mais de 223 semanas na parada Top Pop Catalog, após sair da Billboard 200. A industria de gravação “Association of America” (RIAA) certificou a banda com disco de platina em abril de 2003, e em Junho de 2008 Fallen já tinha chegado ao nível de platina sete vezes.
No Reino Unido, Fallen estreou em #18 vendendo 15.589 cópias. Alcançou o número 1 com 38.570 cópias, sete semanas mais tarde, depois de “Bring Me to Life” no topo da UK Singles Chart. No entanto, vendeu mais de 56.193 cópias em Dezembro de 2003, a qual se tornou sua maior semana de vendas, embora tenha sido tambem número 28 na mesma semana.

Em 4 de Março de 2013, em honra ao décimo aniversário do álbum, a Wind-Up Records anunciou uma edição limitada de vinil roxo do álbum, apenas 1500 cópias que foram disponibilizadas para pré-encomenda.

Faixas:

É basicamente um new-metal com um toque de gótico. De longe se destacam os vocais de Amy, que estão mais uma vez incríveis. Seus gritos fazem com que o refrão seja apaixonante e desesperador ao mesmo tempo. O solo de guitarra é muito curto e deixa a sensação de “quero mais”, o que acaba fazendo com que muitos coloquem a música para tocar novamente.

Talvez o refrão seja um dos mais fracos do Evanescence liricamente, porém o mais poderoso musicalmente. Por mais que se possa manter a filosofia de que as letras são mais importantes do que a melodia, deve-se simplesmente fazer uma exceção para esta, que é uma balada de rock clássico em si.

É sobre a dor da traição e decepção e a recusa a continuar sendo enganado por mais tempo. Há uma provocação na voz de Lee que dá à música um tom de desafio, e o som pesado da bateria e das guitarras incrementam o som pesado.

Talvez esta seja a melhor canção do Evanescence, com a voz de Amy acompanhada ao piano fluindo entre a harmonia do violino. A música traz um clima de tristeza ao ouvinte, mas mantém o sentimento de perfeição durante toda a canção.

É apoiada por um depressivo riff de sintetizador, e contém um dos melhores trabalhos vocais de Amy – sua voz baixa combina perfeitamente com o resto da música, mantendo um timbre profundamente gótico.

É uma boa canção, principalmente com os vocais suplicantes de Amy – que destacam seu profissionalismo, para o que quer que ela faça. As partes de guitarra, são igualmente impressionantes; apesar de seguirem o modelo e ritmo das faixas anteriores.

Esta era originalmente uma cantiga de piano, porém ganhou uma nova versão – esta mais pesada, assim como as outras do Fallen. Apesar das mudanças nos arranjos, a maioria da letra original foi mantida.

“Você não se lembra de mim, mas eu lembro de você …” Liricamente, essa é uma das melhores canções do álbum. Sobre amar alguém que nem mesmo sabe que você existe, a música é muito simples, com um riff de guitarra simples em uma típica percussão de Hard Rock apoiada por piano e cordas.

É uma das canções mais profundas e belas. Amy parece se importar mais sobre esta canção – é apenas ela e seu piano (e um pouco de violoncelo aqui e ali), e funciona muito bem. Essa música realmente não tem um refrão, mas mostra um dos melhores e mais altos vocais de Amy. Além disso, mostra a qualidade emocional de sua voz.

É uma das poucas canções neste álbum onde as guitarras têm uma contramelodia, algo que é bastante raro para o Evanescence – eles tendem a se concentrar em melodias vocais, e não nos instrumentos de corda. Essa música mostra uma personalidade interessante da voz de Amy, o que beneficia muito a música.

É uma canção bem pesada, e o maior uso de efeitos eletrônicos faz com que se diferencie das demais do álbum. Um lindo coro cantando em latim fecha a música com categoria, dando emoção ao ouvinte.

Faixas Descartadas e Extras:

* Trata-se da canção My Immortal do mesmo álbum, acrescida com a participação de toda a banda, não apenas Amy Lee e o piano e/ou violinos, mas com bateria, baixo e guitarras surpreendentes, que garantem ainda mais emoção à música. Ela foi adicionada ao àlbum no re-lançamento do mesmo em Janeiro de 2004, e foi usada como single da banda.

Trata-se de uma faixa descartada do álbum Fallen, mas que posteriormente foi lançada na versão japonesa do mesmo álbum.

* Descartada do Fallen e lançada na trilha sonora do filme Elektra. Também possui uma versão ao vivo, lançada no álbum live Anywhere But Home.